O CEMITÉRIO – STEPHEN KING

Mais uma vez surpreendida por Stephen King. Confesso que não li muitas obras de tal autor, porém as que tive a oportunidade de conhecer adorei. O cemitério, assim como Os Olhos do Dragão, já comentado aqui na casa de livro, sem dúvidas entrou para a lista dos que eu mais gostei.
Em O Cemitério, somos transportados para a pacata vida de Louis Creed.
Louis, ou Lou como era chamado por seus entes queridos, era um médico que foi convidado para trabalhar na enfermaria de uma universidade na tranquila cidade de Ludlow.
Querendo realmente mudar um pouco o rumo de sua vida, e conhecer novos lugares, ele juntamente com sua esposa Rachel e seus dois filhos: Ellie e Gage, foram para a cidade de Ludlow em busca de uma nova vida. Mas eles não poderiam imaginar o que estava prestes a acontecer.
A cidade era pacata, incrível, os vizinhos adoráveis. Um lugar onde Louis e Rachel estariam tranquilos para criar e educar seus filhos. Mas aquela cidade guarda segredos que ninguém consegue imaginar.
Jud Crandall, vizinho do casal Creed, foi conhecê-los no próprio dia da mudança. Louis gostou de cara do velho, era simpático e foi logo convidando o Dr. para tomar umas cervejas com ele a noite.
Ele então contou sobre o cemitério de bichos, ou melhor, “simitério” de bichos. Ellie tinha um gato, Church e logo quis saber mais sobre o lugar.
 Jud então levou a família inteira para que pudessem conhecer, mas aquele lugar sinistro e mágico acabaria arruinando a vida daquela família, até então, feliz.

Os dias passaram sem muitas surpresas. Até que Rachel e os filhos foram para a casa dos pais dela, e deixaram Louis sozinho em Ludlow.
Esse foi o início do fim.
A avenida em frente à casa de Louis era muito movimentada. Vários animais de estimação já morreram ali durante o decorrer dos anos.
E Church, foi uma de suas vítimas. A princípio ele não sabia como iria a dar noticia a sua filha Ellie. Foi então que Jud disse que o ajudaria a enterrar o gato em um lugar, mas que era melhor ele não contar nada a sua filha por enquanto.
Foi então que Louis, carregando o bixano de sua filha, conheceu o cemitério micmac, que ficava além do simitério de bichos.
Mesmo exausto de tanto andar, e de carregar o peso de Church, parecia que aquele lugar o chamava, o prendia ali.
Louis enterrou o gato, e foi para casa.
Foi então que uma surpresa aconteceu, Church apareceu. Ele estava em casa, junto com Louis.
O gato que ele enterrou com tanto esforço, que ele viu morto, estava ali diante de seus olhos.
O médico tentou encontrar várias explicações racionais para aquilo que estava acontecendo, mas ele sabia que não tinha explicação. O gato voltou diferente meio abobalhado e com cheiro de Terra, no entanto era Church. Ele voltou para casa, para Ellie. Jud Crandall o fez voltar.
Louis nada disse a sua filha nem a sua esposa, aquele foi um segredo que guardou consigo, mas foi pedir explicações para Jud.

Foi então que descobriu as mais loucas e sinistras histórias sobre o cemitério micmac. Se era verdade ele não poderia jurar, mas o gato estava ali como prova de que o lugar tinha sim uma espécie de poder ou maldição.
Mais uma vez a vida da família estava normal. Todos voltaram de viagem e foram encontrar o pai. Ellie achou Church um pouco estranho, mas para uma menina de cinco anos, não se preocupou tanto com isso.
Gage com seus quase dois anos de vida, só pensava em brincar e correr.
E em uma dessas corridas, que Louis não conseguiu segurar o filho e ele foi morto assim como Church, na avenida em frente a sua casa.
Seu filho Gage, de apenas dois anos, com toda uma vida pela frente. Morto.
Louis se vê perdido, sem saber o que fazer.
Ele sabe que sua filha e sua esposa, passando pela mesma dor, precisam dele. Mas é impossível ajudar ou consolar alguém, ele não tem forças.
O cemitério Micmac tem poderes, e estão chamando, clamando por Louis, para que ele possa alimentá-lo.
Agora um pai com o coração em pedaços se vê diante de uma escolha terrível.
Ele deve escolher entre agir com a razão, ou deixar que a loucura dentro dele comande seu corpo e seu coração.
Uma obra maravilhosa que nos prende do começo ao fim. Onde Stephen King usa e abusa de elementos místicos e surreais para compor uma trama tão detalhada, que é como se o leitor estivesse sentindo todo o poder daquela cidade amaldiçoada.
Casa de Livro Recomenda.

E Jesus disse a eles: “Nosso amigo Lázaro dorme, mas vou até lá, porque posso despertá-lo de seu sono!”.


Titulo: O Cemitério.
Titulo Original: Pet Sematary
Autor: Stephen King
Ano: 1983
Páginas: 612
Editora: Ponto de Leitura.

Boa Leitura,

Casa de Livro Blog.


Karina Belo

Ellie estava devidamente alertada, impressionada mesmo, mas não com medo, Louis constatou. Rachel, porém, contemplava Jud com ar inquieto, e Louis também se sentiu um tanto apreensivo. Era, ele supunha, o medo quase instintivo que as pessoas criadas na cidade têm das florestas.

Rachel tinha gritado de novo: Gage, volte, não CORRA!
Mas Louis não perdeu tempo. E foi se aproximando cada vez mais, cada vez mais de Gage, e , sim, uma daquelas coisas realmente aconteceu: de algum lugar, lá no fim da estrada, veio o ronco de um caminhão se aproximando…
Oh, meu bom Deus, oh meu bom Jesus, deixe-me pegá-lo, não deixe que ele passe para a estrada.

Alguma coisa está querendo me fazer dormir… Hipnotizando-me… Não quer que eu fique acordado. Porque ele logo estará de volta. Sim, eu sinto isso. E alguma coisa quer me deixar fora do caminho.

Os passos cessaram bem nas suas costas.
Silêncio.
A mão fria caiu no ombro de Louis. A voz de Rachel era um chiado que parecia cheio de terra.

– Querido – disse a coisa.

Anúncios

A GAROTA DO DIQUE – Um Conto de Fadas Sombrio – (G Norman Lippert)

A Garota do Dique, uma história cativante criada e ilustrada por G Norman Lippert, me surpreendeu por seu tema obscuro e por seus detalhes em magia que prendem o leitor do começo ao fim.
Petra Morgansteern é uma garota simples, que perdeu os pais muito nova. Criada pelo seu avô Warren, ela teve todos os cuidados necessários, mas sempre sentiu falta de uma mãe para conversar.
Os Morgansteern eram magos, feiticeiros, bruxos. E com Petra não foi diferente, ainda pequena ela foi descobrindo todos os seus dons e poderes.
Warren sempre esteve ao lado de sua neta, orientando-a e ajudando a mesma com suas dúvidas sobre seu lado mágico. Mas quando ele conheceu Fílis, uma mulher viúva assim como ele e com uma filha recém-nascida, o tormento de Petra começou.
Fílis não aceitava a magia, em sua concepção, Petra era uma bruxa, e ela não queria a garota perto de Isabela, sua filha.
E a mulher também obrigou Warren a abdicar de todos os seus poderes.
Petra achou tudo injusto, mas ela era apenas uma criança, e se seu avô estava apaixonado por aquela mulher, ela não poderia impedi-lo de fazer algo de sua própria escolha.
Agora então, ela sozinha. Petra acaba indo estudar numa escola para bruxos, onde se desenvolve, e descobre que é ainda mais poderosa do que imaginava. E que ela também tem a possibilidade de trazer seus pais de volta para o mundo humano.
Mas como isso seria possível?
Petra depois de anos, já uma mulher formada, decide voltar para a fazenda de seu avô. Ela sabe que tem algo errado com Fílis, e irá descobrir enquanto protege Isa e vovô Warren, de perto.

A garota procura ajudar  seu avô em todos os afazeres, e também brinca muito com Isa, que a considera uma irmã.
A pequena Isa é tão maltratada por sua mãe, que deixa Petra com um ódio fora do normal, ela só não acabou com a vida da mulher ainda, pois Isa e Warren são apaixonados por ela.
Mas as coisas estão mudando. Petra voltou para proteger as duas pessoas mais importantes de sua vida. E irá fazê-lo.
O que Fílis anda tramando?
Petra conseguirá se livrar dela, e salvar seu avô das garras de uma mulher demoníaca?

Isa conseguirá entender que Petra só quer ajudá-la?
Em seu desespero para proteger Isabela dos crescentes ataques de raiva de Fílis, Petra se esforça para equilibrar as forças que anseiam dominar seu coração. Irá ela se apegar às decisões que já tomou, sobrepondo o bem aos seus mais íntimos desejos, ou aos fantasmas do poder e da vingança, sempre maquinando nas profundezas de sua mente?
E o mais importante, Petra irá ceder à tentação de trazer seus pais de volta ao mundo dos vivos?
Uma escolhe que pode mudar o rumo da história, o rumo de sua vida.

A Garota do Dique é um conto de fadas totalmente fora do padrão. Vale a pena apreciar.
Casa de Livro Recomenda!

Titulo: A Garota do Dique. Um conto de Fadas Sombrio.
Autor: G. Norman Lippert
Ano: 2008
Páginas: 81

Boa Leitura.

Casa de Livro Blog.

Karina Belo.


— Isso é porque Petra é uma insolente praticante de uma coisa antinatural. Não teremos nada dessa bruxaria infernal nessa casa, como bem sabe. Seja como for, o que sua irmã escolheu fazer nessa horrível escola é assunto inteiramente dela, mas estes dias acabaram, e se foram bem tarde. Já está na hora de sua irmã encontrar algo útil para fazer com a sua vida. Não permitirei esse tipo de coisas debaixo do meu teto, e seu avô está completamente de acordo comigo.

Essa era sua ideia de uma brincadeira, mas Petra não sorriu. Ela sabia do fato que seu avô não podia negar totalmente o seu sangue mágico, ainda assim depois de que quebrou a sua varinha em pedaços e queimou-a no fogão (e esse havia sido um pequeno fogo colorido). A varinha não fazia o mago mais do que um envelope fazia uma carta. Warren Morganstern podia evidentemente ler mentes, nem que seja de uma forma vaga e nebulosa, e essa habilidade parecia só ter aumentado agora que ele negava qualquer outra expressão de sua natureza mágica. Petra não acreditava que nem ele mesmo soubesse disso, mas ela tinha visto essa habilidade em inumeráveis ocasiões.

Não importa onde você estaria agora. Talvez o Guardião teria mantido sua promessa a você; afinal, você viu sua mãe parada na borda do poço, não viu? Mas, de novo, talvez não. Você nunca saberá. Mas você sabe de uma coisa: você escolheu não fazer aquilo. Você foi interrompida.
Influenciada. No fim, você foi manipulada por aquele garoto, James, do mesmo jeito que foi manipulada pelo Guardião. Você nunca saberá o que teria escolhido por si própria. Ou quais seriam as consequências daquela escolha.

Nós podemos dormir numa cama de folhas, disse Petra à pequena fagulha. Assim como você disse. Nós podemos dormir à luz das estrelas, com ninguém nos observando a não ser a lua. Não seria legal? Nós podemos ir embora, como você desejou naquele dia, quando você olhou para a Árvore dos Desejos. Podemos ir só você, eu e a lua, para todo o sempre. Mas você tem que voltar, Isa. Volta, por favor…


 

 “Eu me interesso por pessoas boas em situações ruins, pessoas comuns em situações extraordinárias”.

“As pessoas ficam desapontadas com minha aparência. Dizem:’Você não é um monstro'”.

“Não tenho muitos amigos. Meu ponto de vista é como o de Mark Twain: tirando uma por uma, as pessoas são legais”.

 “Filme de terror é um gênero fora-da-lei”.

“Para muitos produtores e diretores, o material que escrevo é extremamente visual. Eles resolvem filmá-lo achando que não precisam trabalhar duro na construção dos filmes. Para eles, é só uma questão de elenco. Quando fazem os filmes, eles se concentram nos momentos em que um monstro aparece movimentando suas presas. Não acho que as pessoas estejam interessadas nisso.”

Depois de Clive Barker ter escrito Hellraiser, King disse: “Eu vi o futuro do terror, seu nome é Clive Barker”.

“Se eu gosto de assustar as pessoas? Sim, eu gosto”.

“…alguém sempre levanta e me faz essa pergunta: Por que você escolheu escrever sobre assuntos tão medonhos? Eu geralmente respondo essa com uma outra pergunta: Por que você acha que eu tenho escolha?”

“Já matei árvores demais no mundo.” (supostamente anunciando que não escreverá mais e com isso economizará papel, poupando as árvores.)

“O meu trabalho se resume em duas coisas: prestar atenção em como as pessoas reais se comportam e então contar a verdade sobre o que você vê.”

“Esforce-se para viver ou esforce-se para morrer!”

“As pessoas me perguntam por que eu escrevo coisas tão brutas. Gosto de dizer que tenho um coração de menino – está guardado num vidro em cima da minha escrivaninha”.

 
Stephen King